Callaghan, Brendan Kon

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Callaghan, Brendan Kon

Mensagem por Brendan Kon Callaghan em Seg Mar 20, 2017 4:31 am

reencarnado




Escreva os dados


i. A NOMENCLATURA: Brendan Kon Callaghan;
ii. COMO É CONHECIDO: Superboy;
iii. TIPAGEM SANGUÍNEA: Reencarnado;
iv. QUANTAS ESTAÇÕES VIVEU: 26 anos;
v. PRIMEIRO RESPIRO: 7 de maio de 1991;
vi. DESCENDENTE DE QUE POVO: Clone (Kriptoniano e humano), americano;
vii. COMPORTAMENTO: Bondade Caótica;
viii. COMUNIDADE: Anti-Herói.

Informe os atributos


i. PONTOS DE ATRIBUTO: 60 PA;
ii. ESPECIALIZAÇÃO: Resistente (+5 em resistência);
iii. ATRIBUTOS:



FORÇA: 09INTELIGÊNCIA: 09
RESISTÊNCIA: 17AGILIDADE: 10
VIGOR: 13CARISMA: 07



Diga as perícias


i. PERÍCIAS: A princípio, só terá UM PONTO DE PERÍCIA para distribuir, logo, obviamente, ela, a única, estará no nível calouro.

i. Krav maga, nível pedagogo;


Cite os poderes


i. SUPER-PODERES:


i. SUPER-FORÇA: ele já apresentava níveis de força sobre-humanos chegando até a algumas toneladas sem esforço, com o tempo foi se estabelecendo um nível desconhecido depois de levantar a cidade de Kandor para o espaço sem os poderes psíquicos. Além do básico, ele utiliza um campo telecinético para levantar aumentar sua força se necessário.;


ii. TELECINESE: permite voo, levitar coisas, manipular e/ou repelir objetos/pessoas, e disparar rajadas telecinéticos. O corpo dele está completamente cercado por um campo invisível de energia telecinética, protegendo-o do mal e reforçar as suas capacidades físicas. Isto também pode ser utilizado para manipular objetos que se encontram sobre a mesma superfície que o garoto.

iii. VISÃO DE CALOR: ejetando uma rajada de tom avermelhado de suas córneas de altíssima temperatura;


iv. VISÃO DE RAIO-X: como um aparelho de raio-x, consegue enxergar a estrutura ósseo dos seres, até mesmo através de paredes;


v. VISÃO TELESCÓPICA: o sentido visual é mais apurado que os humanos normais, podendo dar zoom;


vi. SUPER-AUDIÇÃO: semelhante à visão, é dono de uma audição incomum, assim, ouve algo a quilômetros de distância;


vii. SOPRO CONGELANTE: diferente da visão de calor, o sopro do kryptoniano é gélido, congelante. Eles não têm dificuldade alguma em congelar alguém com o sopro;


viii. VELOCIDADE SOBRE-HUMANA: a velocidade é muito acima dos humanos, seja andando/correndo ou voando, atingindo, certas vezes, km/h.;


ix. REGENERAÇÃO: recupera-se de ferimentos com velocidade absurda, porém, depende da gravidade do mesmo;


x. LONGEVIDADE: vive muitos anos, enquanto mantém uma aparência jovial.


xi. INVULNERABILIDADE: balas e qualquer coisa feito de metal não afetam o físico do garoto, que é como uma parede espessa.


xii. TELEPATIA: apresenta certa resistência telepática, podendo ler seus pensamentos. Tem a possibilidade de ver e apagar memórias.


xiii. INTELECTO: já tendo demonstrado que sua mente trabalha incrivelmente rápida para um humano normal, e combinado com os poderes mentais, ele poderia ser um de seus maiores ativos em algumas áreas de raciocínio.


xiv. POLIGLOTA: devido aos seus poderes psiônicos, ele consegue aprender novas línguas apenas com o toque em uma pessoa nativa na língua. Por enquanto conhece o inglês e o kryptoniano.

Conte o histórico


Estava dormindo na faculdade quando aquela tempestade veio, a semana anterior já havia sido conturbada com pesadelos de surras que nunca sofri, mas agora fora a pior noite de todas. Eu vi quem era e eu sabia de tudo, mas não era eu exatamente, parecia uma outra versão de mim em outra vida. Vida. Essa era a resposta mais plausível. Só que saber o que era aquilo não mudava nada. Estava apanhando muito, sentia meu corpo fraco e meu último pensamento foi sobre o dono daqueles pesados socos “Ele parece o Craig”

Como um flash de luz nas foto, eu acordei ainda naquele sono pela minha falta de sensibilidade nas coisas. Sonhos tem esses defeitos para nos fazer perceber que não é real e sentir falta até das coisas ruins. Acordei em um local revestido de algo claro, talvez gelo, ou cristal se isso fosse possível com o tamanho daquilo tudo. Já sabia que estava na Fortaleza da Solidão, mas como sabia disso e o que era essa fortaleza não me recordava. Parecia que só tinha as respostas dos pensamentos principais dessa versão minha.

A versão de Craig no sonho apareceu, o uniforme parecia como o atual e então me toquei, ou pelo menos achei que tivesse entendido. Alguém parecido com meu irmão me matou, mas ele esclareceu ser uma versão dele de outro mundo, evitei minhas perguntas na mente já que não as falaria e seria inútil somar perguntas na mente. Era engraçado Craig tão coladinho num colam azul, acho que depois de anos nunca terei maturidade para vê-lo assim sem rir dele. Umas explicações sobre como revivi e como prosseguir sobre a minha morte, vieram as respostas que tinha em muita velocidade como rever minha vida em segundos.

Sorte talvez que eu dessa vida era um clone e não tinha tantos anos. Espera um pouco, EU ERA UM CLONE? Nossa, mas que estranho isso. Tim. Bart. Cassie. Dick. Clark. Connor, ou melhor, Superboy. Esse era eu. Ou pelo menos fui eu uma vez. Acordei pela primeira vez sem pressa de levantar da cama, sentia coisas demais, impulsos de força e velocidade nos meus movimentos que eram estranhos quase malucos de se aceitar estando sozinho. Furei a parede com o dedo literalmente achando que fosse de massinha pela facilidade que aconteceu.

Tentei voltar a dormir achando que era uma prorrogação do sonho anterior, mas sabia que não era e liguei para Craig me encontrar urgente na faculdade. Eu tinha dois irmãos com poderes, um deles não era bem confiável quanto ao meu estado de confusão e o outro era a melhor opção já era o mais presente na minha visão. Ele chegou após algum tempo que preferi ficar sem saber, ele não tinha segredos para ele e assim que pousou no telhado só levantei o olhar pra ele perguntando se ele reconhecia o nome Kal-El de Krypton.

Ele parou de andar surpreso, me ergui do parapeito do terraço e olhei para o céu como um desvio fácil dos olhos deles. Respirei fundo e contei sobre o sonho e ele explicou como no sonho o que me ocorreu, assim como minhas opções e o mínimo a ser feito que era controlar todas essas novidades que eu tinha em mim. Ele prometia me ajudar, mas ainda sentia os socos daquela versão jovem dele, a simplicidade em morrer e sentir toda aquela carga como Kol-El e tentar viver assim duas vidas em uma era confuso.

Ele não era diferente de mim de verdade, mas ele não teve família. Seu pai Lex era falso e só o queria usar, me usar contra a versão original que agora era meu irmão de verdade. Craig ficou ali contando alguma história que fazia sentido pelas memórias recentes, algo que ele repetia muito, mas não foi tão reconfortante como deveria ser. Levantei o olhar para o peito dele com o símbolo da família e o questionei: - E se eu usar ele? Iria envergonhar você, ou essa outra vida? - Ele sorriu e me abraçou, se afastou um pouco com as mãos ainda nos meus ombros:

- Repete o que disse para nossos pais, você não é como seus irmãos, seu caminho só você pode trilhar. Trilhe ele então. Use uma capa, ao invés de azul podia ser verde, ou o preto como já usou antes. - Concordei com a cabeça e o acompanhei levantando voo como se fosse supernatural de se fazer. O que consegui fazer foi uma pedra levitar, me despertando interesse e logo em seguida as lembranças de poderes novos devido a ressuscitação. Foi um formigamento na cabeça que me fez coçar como se algo estivesse andando ali, foi irritante saber que não passava e incomodava.

...

Alguns anos depois, eu estava mais adaptado as lembranças recorrentes de coisas que precisava saber como vilões e inimigos, ou demais coadjuvantes da minha outra história. A diferença era que ao invés de atuar em um grupo, ou praticar ator horríveis, eu agia sozinho, meu rosto estava claro sem máscara. A única falha das câmera eram as minhas tremidas quando parado para falar algo se necessário. Evitar qualquer quebra de regras e tirando os bandidos não havia reclamações de mim.

Seguis as ideias de antes, nada mudou, apenas uso os poderes em algo melhor vilanias egoístas, ou interesses controlados por terceiros. Eu tentei realmente a Liga da Justiça dois anos depois daqueles sonhos, admito que Craig deve ter mexido muitos barquinhos para conseguir me colocar lá dentro. Tinha problemas com autoridade e assumir isso duas vezes não era fácil, acabei por abandonar a liga na melhor saída que poderia ter feito e pedi desculpas ao Superman por isso, mas eles não eram o meu perfil.

Acho que essa vida normal como Brendan alterou a forma de agir como Superboy e tudo ficou uma bagunça. Posso não seguir a vilania, mas igualmente não era um herói tão certinho assim, um anti-herói era a óbvia definição depois de tudo. As palavras que usei com meus pais passaram a ser quase um mantra pela forma que as usava e a quantidade de vezes que lembrava delas durante o dia. Parecia me fortalecer para quase qualquer coisa que fosse enfrentar, e mais ainda pra aguentar qualquer porrada, porque não morreria novamente. Sentia uma determinação mais forte em mim do que como Connor. Acho que a vida mais longa me dava mais razões pra viver e aproveitar o que tem pela frente.

Outras Coisas


Sobre a história base, eu usei referências do desenho Justiça Jovem. Quanto aos poderes e as descrições tem esse LINK e consultei aquele "dcwikia" comparando as descrições de poderes que não usaram aqui. No mais usei descrições que já usaram no fórum pra força e outros poderes da raça para o personagem.




_________________



Superboy
Brendan + Kol-El + Callaghan

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum