Sawyer, Liam Hughes

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sawyer, Liam Hughes

Mensagem por Liam Hughes Sawyer em Seg Mar 20, 2017 11:12 pm

reencarnado




Escreva os dados


i. A NOMENCLATURA:Liam Hughes Sawyer;
ii. COMO É CONHECIDO: X-Man;
iii. TIPAGEM SANGUÍNEA: Mutante/Reencarnado;
iv. QUANTAS ESTAÇÕES VIVEU: 22 anos;
v. PRIMEIRO RESPIRO: 26 de Março de 1994;
vi. DESCENDENTE DE QUE POVO: Americano;
vii. COMPORTAMENTO: Neutralidade Bélica;
viii. COMUNIDADE: Anti-Herói.

Informe os atributos


i. PONTOS DE ATRIBUTO: 60 PA;
ii. ESPECIALIZAÇÃO: Intelectual (+5 em inteligência);
iii. ATRIBUTOS:



FORÇA: 17INTELIGÊNCIA: 23
RESISTÊNCIA: 20AGILIDADE: 21
VIGOR: 20CARISMA: 14



Diga as perícias


i. PERÍCIAS: A princípio, só terá UM PONTO DE PERÍCIA para distribuir, logo, obviamente, ela, a única, estará no nível calouro.

i. Luta de rua, nível experiente;
ii. Muay thai, nível experiente;
iii. Resistência à Tortura, nível experiente;
iv. Prontidão, nível experiente;
v. Mira, nível experiente;


Cite os poderes


i. SUPER-PODERES:

i. TELECINESE: é o poder do ganho da manipulação e controle de copos somente com a força mental, sem o auxílio de nenhum movimento físico. O uso de tal poder depende da criatividade do telecinético, mas em geral permite a levitação, locomoção, o disparar ou o quebrar qualquer objeto físico;


ii. TELECINESE MOLECULAR: um dos poucos telecinéticos capazes de controlar moléculas, alterando a forma física e química de um objeto;


iii. ILUSÃO TELECINÉTICA: consegue distorcer e manipular poeira e vapor para refratar ondas de luz, criando ilusões telecinéticas;


iv. INVISIBILIDADE TELECINÉTICA: um dos poucos telecinéticos capazes de distorcer lasers e até mesmo a luz, para tornar-se invisível;


v. TELEPATIA: telepata de primeira ordem mesmo sem tanto treinamento como muitos telepatas famosos. Consegue ler o que outros pensam, além de induzir ou manipular terceiros. Também por meio disso, projetar seus próprios pensamentos como forma de comunicação;


vi. HIPNOSE: habilidade de introduzir sensações ao cérebro de outra pessoa, o conduzindo ao transe. A hipnose pode ser usada para persuadir uma pessoa, conduzi-la a fazer ações ou responder a perguntas;


vii. RAJADA PSIÔNICA: capacidade de sobrecarregar a mente, causando dor, perda de memória, perda de consciência, estado vegetativo ou morte depois de ter criado uma conexão psiônica com a mente da pessoa;


viii. REGENERAÇÃO: permite acelerar o processo de regeneração de si mesmo, ou de outras pessoas, dependendo da ferida pode ser mais rápido, ou inútil. Esse poder não faz milagres;


ix. TELEPORTE: capaz de se teleportar para qualquer lugar;


x. PREMONIÇÃO: habilidade de prever acontecimentos futuros. Ele alega ter mais de 300 meios de prever o futuro, entrando em diferentes correntes temporais;


xi. CLARIVIDÊNCIA: capacidade de sentir e ver acontecimentos que estejam ocorrendo naquele instante;


xii. RESISTÊNCIA MENTAL: habilidade de resistir mais a ataques psiquicos de outros telepatas, ou até mesmo a aguentar poderes que afetem a mente como ilusionismo e sedução. Em comparação de poder, poderia nem sequer sofrer danos se o oponente for mais fraco;


xiii. PSICOMETRIA: capacidade de ler resíduos psíquicos em objetos, como uma história do objeto mostrando outros donos, por onde já esteve e até mesmo quem já o tocou;


xiv. CAMPO DE FORÇA: confere ao poderio de gerar um campo de força protetor ao redor de um personagem ou em um local específico. Este campo pode ter diferentes propriedades e níveis de resistência de acordo com o desejado pelo usuário;


xv. PROJEÇÃO ASTRAL: é a capacidade para deixar seu corpo com vida e ficar vagando como espírito. Essa habilidade é perigosa se não for utilizada sob  total isolamento para proteger seu corpo contra um possível ataque;


xvi. EMISSÃO DE ENERGIA CONCUSSIVA: é a capacidade de lançar através do seu olho esquerdo, ou pelas suas mãos, um raio de energia concussiva, que não emite calor, podendo ser de forma voluntaria.
Conte o histórico


Fora criado por sua mãe que possuía poderes criocinéticos e com aquele mistério comum sobre seu pai por ter só uma pessoa a quem perguntar, mas a mesma nunca falava dele. Aprendeu o básico sobre poderes e as emoções com ela, mesmo que seus poderes sejam quase um mistério pela sua infância, havia situações cotidianas que podiam despertar qualquer habilidade que ele tivesse. Aos quatro anos ele foi diagnosticado por um ladrão com uma resistência mental, não haviam muitos dados para testar essa suspeita. Logo que as autoridades lidaram com o ladrão, foi com sua mãe para casa se mudando de Detroit e aquele clima perigoso do bairro onde moravam para a casa onde ela cresceu e tinha como herança.

O garoto conseguiu ouvir alguns sussurros da mãe Cécille dividida sobre quebrar uma promessa, e que retornaria como “ela” sempre disse. Só entendeu meses depois que sua mãe fugiu de casa com um namorado pirocinético que sua avó reprovava. Depois de pelo menos dez anos, o namorado fora preso com acusações pesadas de assassinatos e vilania em larga escala. O garoto julgou o tempo pela sua idade por ter a mínima referência plausível pra lógica com os comentários picados que ouvia. Essa escassez de informação morreu com a internet quase como uma doença que muitos tinham e utilizavam da mesma.

Suas descobertas mais detalhadas sobre seu pai foram ficando mais interessantes, não pelos poderes de fogo do mesmo, mas sim pelo cuidado que sua mãe tinha para com os poderes adormecidos dele. Era medo de que ele tivesse os mesmos poderes dele e tivesse impulsos assassinos, ou coisas piores provavelmente. Liam cresceu com sua curiosidade de sua mãe trocada pelo carinho com a mesma, queria acalmá-la como podia sobre os temores dela. Não tinha as respostas que ela queria, mas sabia de uma coisa mais importante, o poder que desenvolveria não iria muda-lo seja qual fosse ainda seria ele. Era assim que pensava pelo menos.

Os anos foram passando, a casa foi ficando menos velha e com alguns toques modernos como uma cor mais viva e sofá sem rasgos, ou mofos. Eram apenas dois, mas estavam ficando bem acima tudo, só que a calmaria dessas coisas não minimizava as dúvidas de sua mãe e quando Mail Jordan Hughes encontrando seu filho foi como ter seu pior pesadelo ao vivo. Liam estranhou a atitude da mãe em afastá-lo do homem e o pediu pra fazer um café, pois ele era um amigo que estava de visita na cidade. A mente de catorze anos pareceu ferver de possibilidades com a visita de seu pai, mais por ele saber quem era do que pela sua mãe naquela casa de novo.

Enquanto fazia o café sabia que era o pior que já havia feito, sua cabeça estava longe daquelas quatro paredes amarelas e nem a água quente o queimaria se entornasse. Com o café pronto, retornou para a sala com o conjunto pronto para o café dos quatro presentes. Sentia uma pressão como se seu corpo quisesse se mexer por alguma coisa, sua mãe estava visivelmente nervosa, seu pai não tirava os olhos dele e o colega dele ainda calado parecia quase um guarda costas por estar parado no corredor que dava para a porta principal. Pareceram horas de silêncio com eles sem falar nada, a dúvida corroía o garoto por dentro e acabou quebrando aquele iceberg servindo café em uma xicara e convencendo o homem calado a se sentar ao lado de Mail para tomar.

De curiosidade, o olhar do pirocinético foi para dúvida, depois pra surpresa e enfim curiosidade de novo, sem entender o porquê apenas desviou o olhar para sua mãe enquanto estendia a xicara com café para ela. Deu de ombros e avisou que sabia quem ele era haviam alguns anos já, não precisava esconder nada. Esperava que sua mãe falasse algo, mas seu pai roubou a fala e avisou que o levaria para cuidar dele agora, porque precisava de um tempo criado por um homem. Com essa fala, sua mãe reagiu congelando o amigo do seu ex e levantando do sofá com a mão direita estendida avisando que não levaria seu filho.

O homem sorriu com o ouviu e em um flash sua mão livre atirou fogo como lança chamas na direção dela. Sua mãe não atirou gelo dessa vez então pela primeira vez o garoto reagiu impulsivamente contra alguém com poderes. Pulando para o outro sofá ajudando a abaixar sua mãe no chão enquanto com a mão estendia pararia o fogo de alguma maneira. Não tinha ideia de como, era como fluir algo do corpo como lágrimas, ou suor, sem foco na origem apenas fluía. Inicialmente um campo de força impedindo o fogo de prosseguir, mas foi se aproximando da origem e depois impulsionou o outro contra a janela para fora da casa.

Sua atenção foi direcionada novamente para sua mãe que o questionou a quanto tempo sabia dos poderes, o garoto deu de ombros sorrindo de maneira boba do modo que sua mãe odiava e respondeu que tinha alguns minutos no impulso. Sua mãe passou a treiná-lo como uma heroína de novo, e alguns meses depois o colocou na prática para testar esses impulsos que o mesmo tinha na hora certa. Ele já havia demonstrado mais do que campo de força e repulsão telecinética, como emissões de energia e criação de ilusões enganando vilões enquanto sua mãe resgatava os reféns.

O mais confuso não eram apenas os poderes aparecendo e ele tendo de controlar, muito pelo contrário, o garoto parecia já ter treinado antes e essa resposta ficou com seus sonhos. A cada noite depois que enfrentou seu pai, ele tinha sonhos de uma figura bizarra o perseguindo, seus poderes muito mais fortes do que como os usa agora e muitas pessoas amigas, mas também muitos inimigos. Algumas semanas de flashes e emoções com amigos e inimigos que derrotou, mas um deles o fizera acordar assustado, como em um filme de terror clichê com o monstro dando susto, mas esse era o pior deles: Apocalipse.

Procurou uma psiquiatra com poderes mentais que sua mãe comentou caso sentisse necessidade de uma explicação com quem entendesse pelo que passava. Não sabia como seria, era pior do que ir fazer uma prova, ou a primeira luta contra ladrões com uma roupa improvisada de herói. Esse dia foi cortado com o nervosismo forte no lugar desses momentos mais tranquilos, enquanto que a Dra Garden avisou sobre ter de ir a fundo na mente dele pra entender o que realmente ele estava passando. Liam reviveu tudo que já havia visto, ficou com medo novamente com a visão de Apocalipse, surpreso em ver uma luta com um grupo ao seu lado e como o nitro dos carros sua mente foi mais rápida no decorrer daquelas lembranças confusas.

Pareceram horas, talvez dias, sua cabeça doía como se tivesse apanhado muito e quando abriu os olhos já era de noite, a Dra. sentada atrás da mesa anotando alguma coisa. Ele tentou se levantar, mas caiu no chão ajoelhado e tentou voltar pro sofá sozinho. Apesar do esforço inútil, teve a ajuda da mulher e a mesma explicou que ele estava sedado porque ele entrou em uma viagem de reconhecimento de outra mente, estava tremendo e pra ele não se machucar ela usou um sedativo. Agradecendo com um aceno de cabeça suave enquanto ajeitava a bunda no sofá sem a ajuda das pernas, a questionou o que ele tinha e o que ela quis dizer com viagem em outra mente.

Aquela realidade foi modificada, como a que ele conheceu em algumas lembranças. Alguém voltou no tempo e fez algo que mudou todos nós, no caso dela era assim como o dele haviam outras vidas no outro mundo, mas por algum motivo essas lembranças vieram assim que tivemos necessidade dos poderes. De forma grosseira seria como um parasita adormecido que acordou, mas sim, funcionaria como isso já que pra Liam ele viveu e sofreu bastante para morrer duas vezes, voltar e ficar com uma parte dos seus poderes originais. Mesmo que houvesse passado horas e a explicação ainda soasse louca, ele sabia pelo que viu que já fora chamado de Nate Grey, que tinha poderes diversos que ainda iriam se revelar e ele precisava tomar cuidado pra não repetir os mesmos erros.

Saindo do consultório da doutora é que pode olhar seu celular e foi lendo as diversas mensagens de sua mãe avisando que foi atender uma chamada de incêndio sozinha, mas que desejava tudo de bom na consulta. Sabia agora parte do que ele podia fazer e por isso tentou focar em uma busca por sua mãe pela mente da mesma, mas o efeito foi outro, ele previu a morte dela numa explosão de alguma sala com pouco oxigênio quando ela abriu a porta. Mesmo cansado tentou ir o mais rápido que pode pro local que ela enviou a mensagem, mas dada a distância do consultório ele chegou com o local já sem fogo e uma pessoa dentro do saco preto de mortos.

Ele já conhecera o protocolo normal e o chefe de polícia nos conhecia, por isso logo que o viu já conseguiu ler sua procura pelas melhores palavras sobre sua mãe pra lhe dar os pêsames diretamente. Negando com a cabeça começando a flutuar e fui embora pra casa. Não tinha dezesseis anos, era um desses reencarnados da outra realidade e ironicamente sem família como foi com Nate. Depois do funeral e do enterro, ele foi pra uma casa de uma das amigas de sua mãe ali perto pra uma reunião, mas depois de poucos minutos recebendo as pessoas, ele preferiu assistir de longe enquanto ficava sentado na varanda esperando aquilo passar pra ficar sozinho sem ninguém ficar olhando com pena.

Seu pai foi a surpresa da vez, passando pela rua com calma já sabendo que poderia voar com um simples movimento de seu filho. Talvez a dor, ou a falta de vontade de lutar que permitiu seu pai de sentar ao seu lado olhando para a rua por algum tempo em silêncio. A cabeça encostada na pilastra lembrava da expectativa de ver sua mãe voltando depois de salvar crianças, ou após um resgate no rio, qualquer uma das lembranças de quando era mais jovem. Mail começou a comentar algo sobre sua mãe, mas Liam o cortou se levantando e olhando nos olhos do outro: - Nunca vou virar um vilão como você. Se eu não te procurei, entenda que é porque eu não quero relações com alguém que usa seus poderes para atos fracos e ridículos.

Retornou para dentro de casa sem voltar a ver seu pai naquele dia e nem nos anos que vieram pela frente. Prosseguiu atuando na cidade como herói chamado X-Man, quase como ouvir o rádio da polícia, mas era mais como escutar o delegado na casa atrás da sua gritando algum problema novo. Tirando os códigos da polícia, não teve dificuldades em ajudar a polícia nos problemas que apareciam desde ladrões, a incêndios grandes e casos de meta-humanos com ideias errados como seu pai. Sua mente estava mais calma e suas consultas com Garden diminuía bastante o fluxo de seus sonhos para não viver aquela vida de novo durante a noite.

Alguns anos se passaram, ele agora tem seus vinte e dois anos, se sentia mais forte e apto do que nunca, apesar de não entender bem seus poderes pelos limites do que poderia desenvolver, ou não. Suas criações tanto por Forge e os outros como com sua mãe era de proteger as pessoas indefesas, não conseguia ficar numa vida pacata e esses ideais. Porém havia aquele receio de ser preso as regras dos outros, por isso a solidão de trabalhar sozinho por onde quer que fosse. Ele saiu de Detroid pelas más lembranças que haviam naquela cidade que viu sua mãe atuar desde pequeno.

Decidir sair de casa não fora fácil, mas lembrava quando viajou entre dimensões então era a melhor atitude pra superar a morte de sua mãe. Desconhecia o que realmente procurava, jogou na sorte indo pra NY querendo ver como era a cidade sem a guerra e Apocalipse com seus cavaleiros por aí. Talvez ficasse por lá e melhorasse de vez pelo luto, considerava bem por ter assumido algumas coisas como o codinome X-Man e lidado com seus poderes limitados pra não se esgotar como outras vezes.


Outras Coisas


i. Aqui e no próprio fórum mesmo tentando colocar os poderes como já descritos no tópico de poderes principal;

ii. Tatuagem genética em forma de “X”, que estabiliza seus poderes.

iii. Seu olho esquerdo brilha quando usa seu poder.



_________________


It's time to trust my instincts!
Some things I cannot change
But till I try, I'll never know!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum