Wittgenstein, Kami

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Wittgenstein, Kami

Mensagem por Kami Wittgenstein em Sab Mar 25, 2017 5:03 pm

reencarnada




Escreva os dados


i. A NOMENCLATURA: Kamilla "Kami" Eleanor Wittgenstein;
ii. COMO É CONHECIDO: Mutano;
iii. TIPAGEM SANGUÍNEA: Reencarnada;
iv. QUANTAS ESTAÇÕES VIVEU: 19 anos;
v. PRIMEIRO RESPIRO: 21/03/1998;
vi. DESCENDENTE DE QUE POVO: Inglesa- Americana;
vii. COMPORTAMENTO:Neutralidade Bélica;
viii. COMUNIDADE: Anti-herói.

Informe os atributos


i. PONTOS DE ATRIBUTO: 50;
ii. ESPECIALIZAÇÃO: Ágil;
iii. ATRIBUTOS:



FORÇA: 8INTELIGÊNCIA: 10
RESISTÊNCIA: 7AGILIDADE: 5 + 5
VIGOR: 10CARISMA: 10



Diga as perícias


i. PERÍCIAS:

i. Corpo a Corpo (Krav Maga), nível calouro;
ii. Furtividade, nível calouro;
iii. Mira, nível calouro;


Cite os poderes


i. SUPER-PODERES:

I - Transformismo Animal – É a capacidade de mimetizar-se em qualquer animal que se tenha conhecimento, podendo inclusive alterar sua massa para que adquira um tamanho maior ou menor que o natural. Ao se transformar adquire todas as habilidades comuns do animal, tendo pleno controle sobre elas. Não perde a capacidade de fala e pensamento humano. É capaz, ainda, de mimetizar-se em animais extintos (ex: tigre-dente-de-sabre) e mitológicos (ex:dragão). Independentemente do animal, todos, terão uma coloração esverdeada.
II - Empatia Animal -  Aparenta ser uma ligação entre animal x  humano, onde ambos são capazes de compreender a postura corporal e os sentimentos alheios, há uma confiança mútua. O animal fica mais dócil, sendo mais fácil domestica-lo ou controla-lo, podendo ainda obedecer as vontades do outro.


Conte o histórico


Nem toda história inicia-se de forma fantástica. Não houve explosões e sequer uma tempestade marcante, apenas um casal que em meio às lágrimas e sorrisos recebia a filha caçula do colo de uma enfermeira. A criança tinha os mesmos cabelos castanhos dos irmãos e os olhos azuis elétricos congruentes aos do pai – e nos anos seguintes essas feições ficariam ainda mais gritantes.

Cresceu no núcleo de uma família amorosa, tendo toda a atenção que uma criança hiperativa demais poderia ter, além claro de uma dose de bullying diário de cortesia dos irmãos. Eles eram dois e eram completamente iguaizinhos fisicamente, ela levou algum tempo para entender que nem todos os irmãos eram iguais e nem por isso deixavam de ser irmãos, ela mesmo chegara a perguntar o porquê de não ter uma gêmea. Kwan e Kai foram os primeiros exemplos e influências que ela recebera.

O fascínio que tinha pelos animais era comum para qualquer criança, mas ela ia além, passava horas caminhando pela rua do bairro em busca de qualquer bichinho que pudesse olhar e até mesmo ajudar. Não era raro a menina aparecer com um passarinho de asa quebrada e muito menos dois ou três cachorros a sua volta, as criaturas pareciam estranhamente dóceis e gentis perto dela. Na época, a possibilidade de tamanha empatia ser um “poder” sequer foi questionada, era normal, eles disseram.

Kami fora uma pré-adolescente tipicamente rebelde, talvez tenha sofrido certa influência, o fato é que tem um certo desprezo por regras. É daquele tipo que simplesmente não se importa em fugir dos padrões, não porque luta por algo, apenas porque deseja fazer as coisas de um jeito diferente. O primogênito era sua primeira escolha sempre que se sentia confusa, nem mesmo os pais eram capazes de transmitir tamanha segurança para a menina, não importava o problema Kwan sempre estava disposto a ajudar.

O acidente fora um marco em sua vida. Foi o momento em que percebeu que o mundo não era como os desenhos mostravam, não havia remédio para aquela dor que sentia e o medo de perder o irmão a consumira por semanas. Os anos em que Kwan passara em coma foram terríveis, havia aquele vazio na casa e a constante lembrança de algo não estava certo. Os pais já haviam desistido, assim como os médicos, o coma era profundo e o irmão não dava sinal de que iria retornar. Cada nova visita ao hospital era um turbilhão de sentimento, ela queria chorar e implorar para o primogênito abrir os olhos, mas jamais o fizera quando Kai estava presente. Ela fora o apoio que o anarquista precisara, sempre disposta a arrancar um sorriso e lhe afagar os cabelos – e nos anos seguinte ele seria a sua âncora com a humanidade.

Kamilla até hoje não sabe explicar como despertou o seu poder, diferente do irmão não houve nenhum estimulante externo, simplesmente estava no jardim quando o transformismo iniciou. Bom, pode-se dizer que nesse dia Kai finalmente ganhou o seu cachorro, um cachorro esverdeado que tinha a voz da irmã caçula. Os meses seguintes foram seguidos de mimetismos aleatórios, episódios onde levara horas para retornar a forma humana, mas o verdadeiro problema era os instintos que tardavam a desaparecer. Após mimetizar um rato sentia a necessidade de esconder o alimento, um pássaro lhe transmitia a sensação de querer voar, o lobo necessitava da matilha e a garota ficara perdida entre tantas sensações.

As mudanças em seu comportamento foram visíveis, primeiro tornou-se adepta ao veganismo, as vestes ficaram mais desalinhadas e era comum vê-la caminhando descalço pelas ruas. Seus caninos ficaram maiores e mais afiados, suas orelhas um tanto pontiagudas, mas para sua eterna alegria- seu corpo não ficara verde, seus cabelos haviam adquirido um reflexo esverdeado, mas nada além disso. O ponto crucial é que já não acreditava mais nas pessoas, não gostava de suas ambições movidas a dinheiro, do desprezo pela natureza, a crueldade com os animais. Ela não queria aquilo. Kami gostaria de dizer que seria a primeira a pular na frente de um bando de executivos, mas a verdade é que ela não o faria, deixaria tranquilamente eles serem atropelados. Também poderia facilmente ignorar a senhora de casa prepotente, aquelas com olhinhos críticos, com uma língua traiçoeira. Ela estava mudando e não sabia exatamente para quê.

Kai fora preso e ela ganhara uma máquina fotográfica. Sua paixão fora instantânea e dentro de poucos meses se tornara inseparável do objeto, era incrível capturar a luz através da lente e a perfeição de uma aranha em sua teia. Quando as folhas começaram a cair veio a notícia tão esperada, Kwan dera os primeiros sinais de que iria acordar, sua felicidade fora tamanha que passara duas semanas inteiras arrumando a casa para a chegada do primogênito. Quando o irmão finalmente abriu os olhos ela estava lá, ligara para o outro gêmeo no mesmo instante e depois, depois não conseguira parar de chorar. Os três Wittgenstein ficariam juntos outra vez.

Kamilla ingressou no curso de medicina veterinária, caloura mais largada que você verá, se inscrevera num curso de fotografia e prometera que não ia mais escapar escondida de casa. Fingia não ver as escapadas do anarquista e suprimia a necessidade de segui-lo, sabia que o demônio ajudava as pessoas, mas não gostava do risco que ele corria para fazê-lo. O pior era ver Kwan com toda sua benevolência disposto a fazer a mesma coisa, sim, ele também se transformava num anjo gigante. A garota sabia que, se perdesse um deles novamente, não seria capaz de manter sua sanidade.  E vamos concordar que Kami, sem dúvida nenhuma, já não é a pessoa mais sã que você conhece.

Seu transformismo está cada vez mais preciso, recentemente descobriu a capacidade de aumentar ou diminuir a massa corporal do animal e certa vez fora capaz de transmutar-se em Cérbero. Os instintos estão sob controle e não houve mais nenhuma alteração corporal. Sinceramente, ela não tem nenhuma vontade de usar seus poderes para sair lutando, apenas quer ficar na dela e vez ou outra sabotar alguma indústria ou empresário. Kami usa o codinome de Mutano e vai chutar a tua cara se chamar ela com um assobio.

Outras Coisas


I - Link , LINK
II - Seu corpo não é verde, pas.
III - Ela não vai fazer um book seu só se rolar uns docin como pagamento


avatar
ANTI-HERÓIS
19

Indefinida

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum