[Treinamento] The fierce battle!

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Treinamento] The fierce battle!

Mensagem por Gerrard B. Mantovani em Qui Mar 30, 2017 11:48 pm

The Fierce Battle
O treinamento envolve Elara Kalinowski Hawkblue, Gerrard B. Mantovani sendo assim, Mercenários (Phoenix Squad). Passa-se esta em 30/03/2017, Edifício Avallon, Wall Strret, Manhattan NY. O conteúdo é LIVRE. Atualmente, o exercício EM ANDAMENTO e será fixado uma quantia de QUANTIDADE DE POSTS.



_________________


Don't blame me if you get killed!
Gerrard Bjorn Mantovani ♣️ 22 anos ♣️ Mercenário
avatar
MERCENÁRIOS
21

Wall Street, Manhattan

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Treinamento] The fierce battle!

Mensagem por Elara Kalinowski Hawkblue em Dom Abr 02, 2017 8:00 pm

L'oiseau libre
Quanto mais você sua no treinamento, menos sangrará no campo de batalha, dizem.

Na realidade, a citação — que no momento pouca relevância tem a autoria — é de tão fácil entendimento que não há necessidade para que se coloque aqui o significado evidente. Deixo, então, a lacuna para que o leitor interprete por si mesmo, e assim compreenda o que levou a figura feminina a abandonar tão inesperadamente seus aposentos ao intermédio daquela madrugada de temperatura agradável, em vez de aproveitar o pouco tempo vago que lhe restava para descansar, como fizeram os demais membros daquele grupo de compatibilidade duvidosa.

De qualquer maneira, à passadas furtivas, a jovem mulher alcançou um dos andares do prédio destinado à prática das habilidades dos membros do esquadrão do qual "fazia parte" — entre aspas, sim, pois não fizera nenhuma jura de lealdade a qualquer um deles. Não prometera perecer como parte daquilo quando o dia chegasse. Não, era mais inteligente que isso. Considerava-se, por tal, um membro interino, por assim dizer. Uma variável, não uma constante.

Era como um pássaro, digamos, temporariamente engaiolado pelos deveres de integrante daquela ainda pequena, mas até promissora, organização. Vivia permitindo que os demais obtivessem a ilusão de que, como alguns, tinha as asas controladas por quem quer que considerassem o superior, o mandante, mas na realidade voava na direção dos próprios interesses. Ter os pés no chão, fixos no mesmo lugar, nunca havia sido uma característica dela, mesmo.

Seria novidade caso fosse diferente, uma vez que ela estava já familiarizada com a mudança em todos os aspectos da vida; novos lugares, novas pessoas, novos propósitos. Nada nunca permaneceu da mesma maneira por muito tempo na vida de Elara, e ela estava satisfeita assim.

Satisfação. Alguns confundem com "felicidade", se quer saber. Tolice, realmente. Ela nunca conheceu a felicidade em si e ainda assim é capaz de diferenciar as duas coisas perfeitamente. Parou de desejar uma delas quando ainda era uma criança, o que era de se esperar com o passado desequilibrado que tivera, é claro. Acostumou-se a solidão, a ser autossuficiente, a depender de ninguém além de si mesma. E assim, a coisa mais próxima que alcançou da felicidade foi a satisfação. A satisfação de cumprir uma missão com maestria. A satisfação de receber certa recompensa. A satisfação de derrotar um adversário. Apenas a satisfação e nada mais.

Ultimamente, encontrara satisfação em algo em especial: treinamento.

Não importava como o executava: mental ou fisicamente, usando armas brancas ou de fogo e até mesmo de mãos nuas; o exercício era sempre bem-vindo para aliviar as preocupações de uma mente inquieta. Nem o mais prodigioso soldado se mantém em forma sem o treinamento adequado, isto é fato. No caso de Elara, no entanto, a prática tornou-se um costume, um vício. Mais do que necessidade.

Quando desferiu o primeiro golpe no rosto inexpressivo e artificial — obviamente — do manequim, sabia que custaria mais do que algumas horas para que se sentisse satisfeita o suficiente para abandonar a sala de treinamento e mergulhar em um mais do que merecido descanso, mas, como sempre, não se importou.

Afinal, só conseguia dormir tranquilamente quando estava exausta demais até mesmo para ter pesadelos.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Treinamento] The fierce battle!

Mensagem por Gerrard B. Mantovani em Dom Abr 02, 2017 10:08 pm


Don't be afraid... I don't bite
The training!

 

Eram duas e dez da manhã, Gerrard estava com pensamentos obscuros vagando em sua mente, não conseguia dormir novamente, relembrava fatos que ocorreram no passado, mortes de companheiros a seu lado, ou este mesmo executando amigos de quartel para que informações não pudessem ser passadas para frente.

Coerção? Não... Era algo pior que isso, seus olhos estreitos iam até a janela, onde um céu negro chorava sobre as pessoas que estavam começando a chegar de uma possível festa ou fazendo algum tipo de atividade noturna. O que era a paz em um mundo de concreto com eternos conflitos? O que era o certo onde a sociedade apenas conhecia e reverenciava o errado? Ser mercenário era tão errado assim que poderia ser considerado certo? Ou era certo que se considerava errado?  Aquilo tudo era uma maré de incógnitas arrastando sua alma até a profundidade, o que afogava seu ser em um distúrbio infinito de insanidades e questionamentos sobre sua própria existência irrelevante neste plano carnal.

Pôs se de pé sem delongas, caminhando vagarosamente até a janela, observando a Wall Street de baixo das sombras. Aquele de fato era o pico de sua beleza, como um anjo o reflete ao raiar do sol, a cidade de pedra se erguia nas trevas, chegava a ser cômico.  

Despiu-se tomando uma demorada ducha, repousou seus olhos e flashbacks começaram a percorrer sua mente, era em um campo de guerra russo, este estava correndo procurando por abrigo, vendo diversos corpos de membros do seu pelotão espalhados por todo o canto, o aroma pútrido de seus corpos junto ao cheiro do líquido viscoso enojavam o rapaz de apenas dezenove anos.  A fragrância de morte parecia grudar em toda sua pele, manchando até seu interior, medo? Não... Era pânico, a sua morte podia acontecer a qualquer momento, sua respiração já havia perdido qualquer tipo de ritmo que um humano teria naquele momento. A água percorria seu corpo gentilmente, até este sentir como se fosse um toque em seu ombro, seus olhos se abriram de imediato e se virou em guarda, entretanto nada era provavelmente apenas sua mente perturbada estava a pregar-lhe uma peça. Desligou o chuveiro pressionando o botão, suspirando pesadamente.  Pegou uma toalha limpa se secando sem pressa, vestindo uma roupa íntima e uma calça que não limitava seus movimentos, boa parte do seu tecido era de algodão, vestiu seu medalhão do exército, tinha orgulho mesmo tendo sido dado como desertor e saiu com seu tórax nu de seu quarto, carregando no punho apenas seu smartphone checando as câmeras do prédio.

Enquanto descia os andares pela escada, notou que na sala de treinamento havia um movimento, era uma mulher de cabelos negros, e pelo porte físico era ninguém menos que Elara. Um breve sorriso se formou em seus lábios, descendo ainda mais de pressa, era animador ver um de seus companheiros de equipe acordado a tal hora preocupado em treinar.

Adentrou o salão de treino pelo andar de cima e ao mesmo tempo as caixas de som ao redor do local começaram a tocar uma melodia calma era a música (Paramore – Emergency) e à medida que a melodia tocava seus lábios remexiam-se em murmúrios seguindo a música:

– It’s really not your fault..When no one cares to talk about it… To talk about it… – Disse aproximando-se das grades de ferro do Segundo andar, pendendo sua cabeça levemente para baixo observando a mulher que olhava para cima curiosa, vendo o semblante do homem, que deu um sorriso torto para a mesma e começou a descer calmamente as escadas, no meio delas, este deu um salto girando que nem um peão caindo cinco metros até alcançar o solo, onde pousou graciosamente com ambos os joelhos friccionados , suas mãos ao chão onde seus bíceps e tríceps foram completamente expostos junto com algumas veias em seu braço, a visão de seu tórax era quase nula, inclusive do seu rosto. Levantou-se calmamente pondo-se em postura ereta, a jovem podia ver cada músculo do jovem da cintura para cima, e um pequeno brilho prateado entre seu peitoral, que se ela focasse para ver era uma fichinha do exército.  E continuou os murmúrios caminhando até a jovem. – Cause i’ve seen love die, way too many times, when it deserved to be alive. I’ve seen you cry, way too many times, when you deserved to be alive. Foi onde parou em frente a jovem dando um sorriso bobo para a mesma e logo começou a pronunciar algumas coisas:

– Bom dia Elara... Eu estava vendo seu treinamento pelo meu celular , e devo dizer que estou impressionado, mas... Os golpes que você deu contra este não foram superficiais demais? Observe... – Disse o mesmo girando o corpo, e realizando um golpe com sua perna direita no rosto daquele empecilho de treino, o decapitando, fazendo a cabeça de borracha rolar para longe do tatame do treinamento onde o homem deu continuidade. – Para que golpear para ferir, se você pode finalizar? Compreende? Você, gostaria de uma luta amistosa para treinarmos sua habilidade de combate e como você resultaria em uma luta sem seus poderes? Eu irei a sério como se eu tivesse de lutar até a morte, então, atinja-me com toda a força que tiver. Mas, primeiro quero que diga o que acha. E você é bem forte sabia? Só me parece ter piedade de suas vítimas... Isso pode acabar lhe custando caro. Disse o mesmo repousando sua mão direita no ombro esquerdo da jovem dando um sorriso gentil aguardando sua resposta sobre um possível treino pacientemente.



The Terminator! The Judger! The ender of all things!


_________________


Don't blame me if you get killed!
Gerrard Bjorn Mantovani ♣️ 22 anos ♣️ Mercenário
avatar
MERCENÁRIOS
21

Wall Street, Manhattan

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Treinamento] The fierce battle!

Mensagem por Elara Kalinowski Hawkblue em Qua Abr 05, 2017 9:52 pm

L'oiseau libre
Seria adequado dizer que a paciência é um dom ainda mais raro que muitos dos super-poderes que hoje se manifestam em certas formas de vida — estas normalmente referidas como "mutantes", embora não restritas a tal denominação, como se sabe. "A paciência é uma virtude," alguém disse uma vez. Uma grande bobagem, se você me perguntar. A tolerância em demasia é frequentemente acompanhada por iguais doses de ingenuidade e bondade excessiva, coisas que fazem de você um alvo fácil para aqueles dotados de maior ambição do que consciência. Cá está o espécime humano do sexo feminino que não me deixa mentir.

Elara — e digo com propriedade de minhas palavras — detém tão pouca tolerância que se tivesse de representá-la em números usaria um algarismo negativo e ainda não estaria sendo completamente justo. Felizmente, o bom senso sempre serviu como um traço conveniente para equilibrar a intolerância dela diante de situações complicadas em que não poderia simplesmente "soltar o verbo" — vulgo missões de infiltração —, que não foram, nem de longe, poucas.

Enfim. Era de tolerância quase nula. Impaciente, ansiosa, de fácil irritação. Uma faísca a um dedinho de explodir, diria. Felizmente, quando entrava em ação esquecia-se das emoções — ou melhor, controlava-as, e naquele momento direcionava quaisquer frustrações ao objeto de treinamento que tinha diante de si, acertando-o com punhos que, embora pequenos, moviam-se com agilidade impressionante. Não por acaso, é claro. A precisão dos golpes era um dos benefícios resultantes do treinamento realizado regularmente.

Os movimentos se interromperam no instante em que uma melodia até então desconhecida invadiu as vias auditivas da mulher que, já ligeiramente incomodada, ergueu os olhos para o andar superior, sentindo uma nova presença nos arredores. A visão encontrada provou serem corretas as suspeitas prévias; Gerrard, no alto da escadaria, estampou um sorriso torto não correspondido antes de começar a descer os degraus com demasiada paciência para, por fim, saltá-los no intermédio da escada de maneira a girar até alcançar o chão alguns metros abaixo. A única espectadora da cena ergueu uma sobrancelha, sem compreender direito qual a pretensão por detrás daquelas ações, mas preferiu não revirar a mente alheia em busca da informação. Não importava-se para tanto.

Ele começou a caminhar distraidamente na direção de Elara, murmurando, ao que parecia, a letra da música que ecoava originada dos alto-falantes equipados na imensa sala. Ela imaginou se estourar a aparelhagem com a telecinese seria uma medida extrema. Optou por não fazê-lo, visto que a música não era seu maior problema.

Permitiu que os braços descansassem enquanto ouvia o que o outro que ali se fazia presente tinha a dizer. Superficiais, ele disse? Desta vez, levantou ambas as sobrancelhas. Com um movimento da perna direita, Gerrard fez com que a cabeça artificial do equipamento voasse pelos ares, assim dando-lhe tempo para continuar a verbalizar sua linha de pensamento.

— Minha intenção nunca foi "finalizar" — esclareceu ela, usando a telecinese para trazer de volta ao lugar prévio a cabeça decapitada do utensílio de treinamento, encaixando-a no local apropriado sem precisar fazer uso das mãos. — Eu estava treinando a agilidade dos meus golpes.

O convite incomum para treinar em dupla pegou Elara de surpresa. Não tinha por costume praticar — ou fazer qualquer outra coisa além de missões, na verdade, — com membros da equipe. Sempre preferiu a si mesma em vez de qualquer companhia. Aquilo seria diferente.

— Podemos lutar, mas...você realmente leu o meu arquivo? — perguntou logo após ouvir o comentário alheio e errôneo. — Se tivesse lido, saberia que piedade nunca foi um problema para mim. Não foi este um dos motivos para me querer na equipe?

Não aguardou uma resposta. Impaciente, colocou-se em posição apropriada, esperando para ver o que seu até então intitulado "adversário" faria a seguir.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Treinamento] The fierce battle!

Mensagem por Gerrard B. Mantovani em Qui Abr 06, 2017 2:43 pm


Don't be afraid... I don't bite
The training!

 

Notava Elara usar de seu dom para consertar o estrago que o próprio fizera de antemão no boneco artificial de treinamento. Quando a cabeça foi novamente ligada ao tronco pela telecinesia a jovem se afastava um pouco após o convite vindo por parte do italiano e se pôs em guarda.

O homem caminhou até o centro do tatame lentamente onde parou assumindo a guarda do Kick Boxing começando a falar em uma voz um tanto sombria, porém, gentil.

– Bom... Agilidade não é tudo. Força conta e muita coisa, mas como você é basicamente uma ninja, a velocidade que você incita uma técnica realmente tem de ser praticamente invisível a olho nu. – Suspirou antes de prosseguir a fala. – Pois bem, sei que também não tem piedade, mas destruir algo de maneira rápida é necessário. Mostre-me sua força em cada parte dos seus músculos agora. Deixarei que tenha o primeiro movimento.

Disse o mesmo recuando um pouco mais mantendo a guarda aberta fixando seu olhar estreito nas irises da garota. Agora a questão é, como e quando ela atacaria, se seria certeira ou não, velocidade ou habilidade e diversos outros fatores que irão contribuir em como este vai se defender.



The Terminator! The Judger! The ender of all things!


_________________


Don't blame me if you get killed!
Gerrard Bjorn Mantovani ♣️ 22 anos ♣️ Mercenário
avatar
MERCENÁRIOS
21

Wall Street, Manhattan

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Treinamento] The fierce battle!

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum