[RP - Fechada] A caminho da perdição

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Seg Abr 03, 2017 10:46 pm

A caminho da perdição
A roleplay é iniciada pelo post de Andrea Eakheartd, seguindo por Alex S. Ackermann. Estando, portanto, FECHADA para os demais. Passando-se esta em uma noite de31 de março, bar qualquer de Brooklyn. O conteúdo é SOMENTE PARA MAIORES. Atualmente, as postagens estão EM ANDAMENTO.


avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Seg Abr 03, 2017 11:38 pm

Mat, o mundo já não é mais o mesmo
Salvadores do futuro merecem um descanso

7 e 12 da manhã
Não lembrava como era desagradável utilizar o transporte público até me encontrar sentada ao lado de um gordo suado e fedorento dentro de um ônibus lotado durante uma manhã ensolarada. Para melhorar a situação, a cada buraco no asfalto que o motorista fazia questão de não desviar, eu lembrava o dia em que a resistência humana fugia dos inimigos em um ônibus escolar antigo. Podia ver, através do vidro da janela, o campo de batalha após início da guerra apocalíptica que se deu início em Nova Iorque. Meu estômago se remexia com aquilo.
Quando pude avistar um grande hospital do lado de fora do veículo, requisitei a parada e me elogiei por ser forte o bastante de aguentar o café-da-manhã, visto que o obeso que viajou comigo não continuou seu caminho com meu vômito. Aliás, fazia muito tempo que colocava para fora o conteúdo de meu estômago. Quiçá a escassez do futuro tenha me proporcionado uma forma de armazenamento mais eficaz. Tanto faz. Eu não estava subindo a escadaria de entrada do hospital para saber da minha saúde gastrointestinal.
— Ei, poderia me dizer onde acho o berçário dos recém-nascidos? — Pedi a informação a uma atendente que me respondeu terceiro andar. — Valeu.
Sem ter pressa, apertei um botão na parede para que o elevador viesse e esperei.

Agora, 9 e 30 da noite
Depois de passear com minha moto pelas ruas de Nova Iorque antes que ela fosse mais nada além de escombros, sangue e fogo, estacionei a Harley — minha moto —, em frente a um bar que não me dei o trabalho de ler seu nome. Buscava beber para matar minha sede e minhas mágoas como todo mundo, e não avaliar a qualidade de propaganda do recinto.
A noite não estava fria como eu me acostumara, mas isso não me impedia de vestir o couro preto costumeiro. E, após entrar naquela espelunca — para dizer o mínimo —, pude constatar que o clima quase quente também não impediu que muitos motoqueiros se vestissem de acordo com as roupas da tribo social.
Fui até o balcão e esperei que algum funcionário me atendesse. Pareciam ser apenas dois preparando drinques e uma mulher, pouco mais nova que eu, entregando as bebidas para quem estivesse nas mesas. Contive minha impaciência batucando a madeira do balcão no ritmo de uma música que tocava, não queria provocar uma briga pela má qualidade de atendimento. Já sabia que aquele lugar não era o melhor da cidade.
avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Alex S. Ackermann em Ter Abr 04, 2017 12:15 am



TO NIGHT ...

Pobres eram as pedras que se encontravam a frente de Alex, todas eram arremessadas longe com apenas um chute do garoto que parecia cada dia mais estressado com as situações diárias que aconteciam, Alex nunca desejou possuir super poderes mas parecia que não havia jeito, ele os carregaria para o resto da vida, seria um tormento para o resto da vida. Apenas vinte e um anos com uma sobrecarga enorme sobre seus ombros, sinceramente não queria ser um super herói, já tinha problemas pessoais demais, não tinha o mínimo interesse em solucionar adversidades alheias, ao mesmo tempo que queria abusar de suas habilidades para o mal, visto em que Alex sempre evitava utiliza-los.

A calçada sob qual Alex caminhava possuía uma rachadura que se estendia até um local pouco convidativo, uma espécie de bar e por mais que Alex não fosse um fã de bebidas alcoólicas sentiu a necessidade de ter o efeito de tal em seu corpo. Entrou no local sem pensar duas vezes, as pessoas presentes ali combinavam com o ambiente, diferente do garoto que não era um motoqueira e muito menos tinha intimidade com whisky ou qualquer coisa do tipo. A face do rapaz não era das mais bem humoradas, longe disso, parecia bem ranzinza que rendeu algumas piadas em sua caminha até o balcão. Sentou-se no primeiro assento disponível, pediu um dose de whisky, um após o outro, até sentir-se embriagado o suficiente para esquecer dos problemas que o assombravam...

Um pequeno enjoo começou a incomoda-lo, Alex sentiu a necessidade de ir embora, o ambiente já não podia mais ser suportado, seu único desejo era ir para casa, dormir talvez, isso caso não arrumasse alguma confusão pelo caminho, mas ao apalpar seu bolso traseiro percebeu que não estava em porte da sua carteira, o que significava que não tinha dinheiro e sem dinheiro não poderia pagar por tudo que havia ingerido. Um longo suspiro foi solto pelo garoto, observou uma mulher, loira, talvez, não tinha certeza e sem outra saída Alex teve de apelar ajuda a ela Er, pode parecer estranho, mas eu bebi demais e eu...não tenho dinheiro para pagar! Você poderia, quem sabe, quebrar esse galho para mim?! - Sua voz oscilante parecia ridícula, ainda mais pedindo ajuda a uma estranha. —Por favor?! - Era torcer para que a mulher se sensibilizasse ou então passar a noite na cadeia.   

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Ter Abr 04, 2017 1:06 am

Mat, o mundo já não é mais o mesmo
Salvadores do futuro merecem um descanso

7 e 29 da manhã
Dentro do elevador, encontrava-me sozinha pela primeira vez naquele dia desde que acordei no hotel meia estrela em que havia me hospedado. Era uma sensação boa a de estar só, distante do cheiro de pecado que a maioria das pessoas exalava. Em contrapartida, a caixa metálica tinha cheiro sangue misturado com produtos químicos para limpeza, o que não era muito agradável também.
O número 3 apareceu na placa digital que dizia em qual andar estava. Com a abertura da porta metálica, caminhei a procura do berçário que deveria estar por perto. Não encontrei formas de me guiar até que os sons agudos de gritos de bebês chegaram aos meus ouvidos. Segui na direção da gritaria.

Agora, 9 e 36 da noite
Depois de uma cerveja de marca barata, arrisquei por aceitar um dos drinques que eram preparados. Havia três cores no líquido dentro da taça que recebi, além de um pequeno guarda-chuva do qual me livrei. Sem perder tempo, joguei tudo para dentro num só gole. Pude sentir uma leve queimação que era nada comparada ao fogo que eu era acostumada.
— Me traz outro desse — pedi ao barman que parecia interessado em meus seios.
Enquanto aguardava por mais uma dose de álcool, fui chamada atenção por um rapaz que parecia ter bebido um pouco mais do seu limite. Sua aparência me chamou mais atenção que suas palavras de início, mas me surpreendi ao entender o que ele queria de mim. A minha cabeça chegou a inclinar enquanto os olhos se arregalavam e um sorriso tentava se formar em meus lábios, esperando por uma risada do outro para que fosse confirmado que ele estava brincando comigo.
— Céus! Você tá falando sério? — Quem acabou por rir fui eu com aquela situação inusitada. — Ok, eu te ajudo, cara. Mas só se você beber mais algumas comigo — propus com um olhar sério e amigável. Ele não tinha muita opção, de qualquer maneira. — Senta aqui. — Bati a palma de minha mão duas vezes num lugar ao meu lado do balcão. — Faz mais um para meu amigo — disse para o barman quando ele trazia a minha bebida multicolorida.

_________________


THE GHOST RIDER
I hurt myself today, To see if I still feel
I focus on the pain, The only thing that's real

The needle tears a hole, The old familiar sting
Try to kill it all away, But I remember everything
avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Alex S. Ackermann em Ter Abr 04, 2017 2:13 am



TO NIGHT ...

Ao pensar em ingerir mais bebida Alex sentiu sua cabeça latejar, era bem possível que momentos mais tarde Alex entrasse em coma alcoólico e o pior de tudo é que para o jovem não haviam mais opções, com certa dificuldade sentou-se ao lado da mulher da qual solicitou ajuda sem nem mesmo saber seu nome. —Só mais algumas por favor, eu não vou aguentar muito mais! - Avisou o garoto que apoiava a cabeça sob uma das mãos demonstrando de certa forma que não estava em suas melhores condições. A sua frente a bebida apresentava cores distintas o que faziam Alex se questionar se aquilo de fato era multicolor ou então ele estava vendo coisas, demorou a tomar coragem para tomar a bebida, estava enrolando o máximo de tempo afinal tudo dependia dele fazer os gostos da mulher e nada melhor do que fazer o tempo passar do que jogar conversa fora. —Hm, obrigado por pagar a minha conta, quem sabe eu possa te pagar tudo de volta em algum momento. Aliás...meu nome é Alex. - Virou-se para observar o rosto da garota e sorriu, talvez, pela primeira vez naquela noite. 
 
 O conjunto de vozes presentes no bar ecoavam na cabeça de Alex de uma forma que se tornava cada vez mais impossível de lidar, pediu rapidamente uma garrafa de cerveja para o homem e se pôs em pé —Se quer beber não precisamos necessariamente fazer isto aqui, não é? Podemos ir lá pra fora? Fazer outra coisa, talvez?! - De forma convidativa Alex tentava convencer a loira a fazer outras coisas, como lhe dar uma carona para casa, com sorte talvez ela tivesse um carro. Seus passos meio sem jeito o faziam tropeçar em suas próprias pernas o que gerava certa dificuldade em alcançar a saída e apenas não caiu pois se apoiou na garota. —Me desculpe, mas acho que vou precisar de ajuda.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Ter Abr 04, 2017 1:22 pm

Mat, o mundo já não é mais o mesmo
Salvadores do futuro merecem um descanso

7 e 44 da manhã
Nunca antes havia visto tantos bebês em um só lugar, não tão novos. O berçário parecia algo divino — para alguém que veio de um futuro sem bebês — e, ao mesmo tempo, um inferno numa sala. Todos gritavam, por exceção de alguns que se encontravam com tubos e medicações sendo aplicadas. Talvez fosse desse dia que surgisse o trauma com hospitais na maioria das pessoas.
— São lindos, não são? — perguntou-me uma senhora do meu lado. Ela não deveria ser mãe de algum deles, pois se encontrava muito bem de pé, além de aparentar estar um pouco acima da idade adequada para ter um filho neném. Deveria ser tia ou avó de alguém.
Tentei procurar por beleza naquelas criaturas pequeninas, carecas e enrugadas. Algumas possuíam tufos de cabelo que as faziam parecer ainda mais estranhas. Não consegui imaginar que eram bonitos em qualquer linha do tempo.
— Claro — disse para a senhora.

Agora, 9 e 40 da noite
A noite parecia ficar mais interessante a cada instante, o que não era difícil de ocorrer em um fim de mundo perdido como aquele bar. Não neguei o pedido de ajuda de um jovem bêbado, pois ele me lembrava muito alguém que estava pensando naquele dia.
Alex, o rapaz sem dinheiro, parecia ser alguém simpático, apesar de isso ser quase que uma consequência do estágio de embriaguez que ele se encontrava. O drinque que ofereci foi tomado e, sem pedir minha permissão, ele pediu uma cerveja para beber enquanto seguia para fora do bar, convidando-me a fazer o mesmo.
— Beleza, vamos — concordei sobre sairmos. Deixei algumas notas de dólares no balcão, sem me importar com troco. Em minha mão direita, levava uma pequena lata de cerveja para me refrescar até chegar no lado de fora daquele lugar, quase derrubando-a quando Alex se apoiou em mim — Mais ajuda, você quis dizer — corrigi com um sorriso nos lábios quanto ao que ele comentara.
Levando aquele recém-conhecido apoiado em meu ombro até perto da minha moto, consegui terminar o conteúdo de meu recipiente de alumínio e o lancei, vazio, no meio da calçada pouco iluminada. Usando a destra agora livre, apontei para Harley-Davidson, meu transporte e parte do meu ser, literalmente.
— Vamos dar um passeio, ok? Tente não dormir. — Sem delongas, subi na moto e ajudei o outro a fazer isso sem que caísse no meio-fio. Era uma situação cômica, uma motoqueira ajudando um bêbado. Acabei soltando umas risadas curtas ao longo do tempo em que o auxiliava. — Pronto? Segure-se firme, pois ando rápido e não tenho capacete para você. — Não havia o hábito de levar gente comigo e também não possuía um capacete para mim, visto que não conhecia um não inflamável.


_________________


THE GHOST RIDER
I hurt myself today, To see if I still feel
I focus on the pain, The only thing that's real

The needle tears a hole, The old familiar sting
Try to kill it all away, But I remember everything
avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Alex S. Ackermann em Ter Abr 04, 2017 4:52 pm



TO NIGHT ...

Apoiado na mulher Alex conseguia se manter em pé, horas atrás nunca que passaria por sua cabeça que sua noite chegaria a tal ponto, dependendo de uma estranha para pagar suas dívidas e até mesmo se mover, mas ao menos seus objetivos de esquecer de seus problemas foram alcançados. Agora o desafio maior seria chegar em sua casa, afinal depois de tantos copos o jovem já não conseguia mais se lembrar de seu endereço, nem mesmo sabia onde estava naquele momento. 

Subiu na moto e segurou-se para ter certeza que não beijaria o asfalto no caminho, mesmo com todas os avisos de falta de segurança Alex estava ansioso para ver o resultado, o fim daquela noite. —Sei que já te pedi muita coisa por hoje, mas, foda-se. Eu não lembro onde moro, então eu não tenho para onde ir! - Soltou uma breve risada no após fazer tal comentário, o vento bagunçava seu cabelo e por um momento desejou aproveitar mais da embriaguez enquanto podia. —Você ainda não me disse seu nome. 

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Ter Abr 04, 2017 10:57 pm

Mat, o mundo já não é mais o mesmo
Salvadores do futuro merecem um descanso

7 e 52 da manhã
Negros, brancos, asiáticos, enrugados, gordos, grandes e prematuros, haviam todos os tipos de recém-nascidos naquele berçário a minha frente. Eu observava cada um com atenção, buscando traços que me fizessem perceber o que procurava. Minha memória foi atiçada por nenhum dos bebês presentes ali. Então fui até uma enfermeira que passava pelo corredor.
— Licença, você poderia me tirar uma dúvida? — questionei a mulher que interceptei. — Estou à procura de um garotinho, ele nasceu hoje, seu nome deve ser Matthew — disse para ela com esperança que soubesse de alguém com aquele nome. Contudo, apesar dela ter ciência dos nomes de muita gente que nascera nesse dia, ela afirmou desconhecer qualquer um com aquele nome.
Fiquei abalada com a resposta da enfermeira. Não era possível que Mat não tivesse nascido até àquela hora. Poderia ser apenas um engano, talvez eu tivesse dito o nome errado ou a funcionária do lugar fosse desatenta. Resolvi tentar minha última alternativa.
— E esse sobrenome aqui te lembra alguma coisa? — Retirei um papel dobrado do bolso da jaqueta e o mostrei, permitindo a leitura do nome da família de Matthew.
A mulher de branco apoiou o cotovelo de seu braço direito na mão esquerda para que levasse sua outra mão ao rosto, deixando sua expressão pensativa no processo. Ela levou alguns segundos até olhar para meu rosto e negar movendo sua cabeça de um lado para o outro.

Agora, 9 e 45 da noite
Desde que me tornara a Motoqueira Fantasma, tive poucas oportunidades de passar a noite bebendo e muito menos conversando com alguém da minha faixa etária. Quando se tem o olfato para pecado, torna-se muito complicado de interagir com grupos de jovens sem que seja enforcando-os com correntes ou queimando eles para oferecer uma amostra do que experimentariam no pós vida. Porém, acabei aprendendo a me controlar para não esquentar a cabeça com qualquer tipo de gente. Por isso estava, nesse momento, levando um rapaz para sua casa depois de beber muito.
— Esqueceu onde mora? — perguntei em voz alta devido ao som da moto em alta velocidade dificultar a compreensão, sem contar o vento. Eu não consegui engolir a desculpa de Alex quanto à sua amnésia alcóolica, mas, como confiava em meu nariz, eu sabia que as intenções do bêbado me interessavam — Tudo bem, vou levar você para o hotel onde estou hospedada. Não é muito longe daqui — disse para o jovem e acelerei minha moto.
Passando por alguns sinais vermelhos, costurando entre os carros da estrada e quase dando cabo da vida de alguns idiotas no meio da rua, consegui trazer Alex são e salvo — ou o máximo possível dessas coisas — até a frente do hotel que eu comentara. Esperei que ele me soltasse para que pudesse desligar a moto e descer.
— Meu nome é Andrea — respondi à pergunta dele após estacionar a moto e guardar a chave. — Vamos. — Segurando o desequilibrado, comecei a leva-lo para o meu quarto que me pertencia até o outro dia.
Enquanto levava o rapaz, observava seu corpo quando ele não olhava em minha direção. Estava curiosa quanto a beleza escondida pelas roupas dele, admito.


_________________


THE GHOST RIDER
I hurt myself today, To see if I still feel
I focus on the pain, The only thing that's real

The needle tears a hole, The old familiar sting
Try to kill it all away, But I remember everything
avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Alex S. Ackermann em Ter Abr 04, 2017 11:58 pm



TO NIGHT ...

Um hotel? Parecia ser muito melhor do que passar a noite perambulando pelas ruas, normalmente em locais assim há conforto e serviço de quarto, que seria útil, em um momento ou outro. Quando a moto finalmente parou Alex sentiu-se um tanto aliviado, saiu de cima da maquina e observou a estrutura em sua frente, um grande prédio que talvez não fosse tão alto mas Alex não quis verificar muito, já estava sentindo tontura e rapidamente teve que buscar auxílio nos ombros da loira. —Como você consegue se manter sóbria? - Perguntou com um tom cômico. —Andrea, okay. Gostaria muito de dizer que vou guardar seu nome para sempre em forma de gratidão, mas não garanto nada. - Encarou-a talvez pela primeira vez naquela noite, e notou todos os detalhes do rosto de Andrea, sorriu de canto mas manteve-se em silencio enquanto concentrava-se em não tropeçar em suas próprias pernas.

  O interior do prédio era bonito, pelo menos para o padrão de vida simples de Alex que dificilmente dormia fora de casa, aquela noite era uma rara exceção, junto a Andrea caminhou ao elevador, seria muito mais conveniente do que subir alguns andares, mesmo que o jovem não soubesse em que andar o quarto da mulher se encontrava. —Tudo bem, acho que consigo daqui! - Disse Alex desvencilhando-se do contato com a loira. A subida fora tomada por uma quietude no elevador, apenas preenchida pelas típicas músicas incomodas praxes que se encontram em quaisquer elevadores, quando finalmente a porta abriu-se puderam dirigir-se até o destino final, o quarto, Alex foi o primeiro a entrar, aparentava ter um pouco de pressa, olhou ao redor procurando por algo, especificamente o banheiro. —Ali é o banheiro? - Apontou para a porta semi aberta, ao mesmo tempo que encarava Andrea. —Ok. Acho que preciso de um banho. - Começou a se despir ali mesmo onde estava, deixando pelo caminhos suas peças de roupa, primeiro a camisa, tênis e por último a calça que claro, foi retirada dentro do ambiente em questão, a porta permaneceu do jeito que fora encontrada, nem aberta, nem fechada, apenas uma fresta lhe dava a visão rasa de seu interior.  

_________________


LIVING WITHOUT PASSION IS LIKE BEING DEAD.

I'D RATHER DIE THAN LIVE WITHOUT PASSION.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Qua Abr 05, 2017 12:25 am

Mat, o mundo já não é mais o mesmo
Salvadores do futuro merecem um descanso
8 e 10 da manhã
A passos vagarosos, eu saía do hospital. Não conseguia assimilar a notícia que me foi dada. Eu deveria conhecer o bebê Matthew em seu primeiro dia de vida, aquele que nunca viria a ser meu amigo, pois nunca precisaria se refugiar na base de meu pai num apocalipse. O Diabo havia me pregado uma peça. “Filho da puta”, pensei sobre o ser com quem fiz o pacto para salvar o mundo. “Outro filho da puta”, agora me referia ao pai do anterior. Aquilo tudo era uma brincadeira daqueles dois, um grande e estúpido jogo onde eu sou uma peça idiota.
— Filhos da puta.

Agora, 9 e 58 da noite
Na situação em que eu me encontrava, foi necessária muita força para segurar a risada. O bêbado que eu levava para casa parecia ter sido enviado do inferno para me entreter, ou talvez um anjo — visto que eu sou apoiadora de nenhum dos lados. Nenhum comentário desagradável ou olhares de desgosto foram feitos por Alex, muito pelo contrário, ele parecia gostar do hotel pelo qual eu o levava até o elevador. Até os funcionários se surpreendiam pela ausência de má educação com eles, aliás, era um hotel sem estrelas.
— É preciso de muita cerveja para me deixar bêbada — respondi à pergunta enquanto o elevador fechava a porta.
Houve um silêncio engraçado durante a subida até o quarto andar. Eu conseguia simular uma queda do rapaz em minha mente com nenhuma dificuldade, pois ele já não se apoiava mais em mim e parecia mais zonzo que morcego em ano novo.
Não demoramos para chegar em meu quarto. Alex parecia ter pressa para usar o banheiro, o que eu pensei que fosse por estar com sua bexiga apertada. Quando prestei atenção, ele já se encontrava nu, prestes a tomar banho depois de deixar uma trilha de roupas pelo caminho que fez. Aquilo me arrancou um sorriso e uma risada em seguida.
Aguardei alguns minutos até que pudesse escutar o som do chuveiro para então começar a retirar minhas peças de roupa. Estava esperando por uma chance como aquela há dias, por isso não perdi mais tempo e abri a porta do banheiro com cuidado para que não fosse escutada. Pretendia me aproximar sem ser notada, o intuito era encostar meu corpo no do rapaz e assim abraça-lo debaixo da água. Uma surpresa que eu esperava que fosse agradável, pois não seria uma noite interessante caso Alex desmaiasse por se assustar com meus seios em suas costas.
— Posso me juntar a você? — pretendia perguntar após segurar a cintura do rapaz e tatear seu abdômen molhado.

_________________


THE GHOST RIDER
I hurt myself today, To see if I still feel
I focus on the pain, The only thing that's real

The needle tears a hole, The old familiar sting
Try to kill it all away, But I remember everything
avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Alex S. Ackermann em Qua Abr 05, 2017 1:23 am



TO NIGHT ...

A água caiu instantaneamente quente sobre o corpo de Alex - ele nunca tomava banhos gelados, faça frio ou calor - não precisou de muito tempo até que o banheiro fosse tomado pelo vapor e a visão ficasse limitada por muito, as gotas caiam todas de uma única vez no rosto do garoto que pela primeira vez na noite sentiu a leveza de seu corpo, entretanto aquela não foi a maior descoberta da noite que minutos atrás parecia logo terminar. Alex sentiu um toque em suas costas e posteriormente em seu abdômen, um sorriso simples brotou no resto de Alex ao perceber a situação. —Eu diria que não, mas já que você está aqui não há por que sair mais. - Juntou suas mãos com a loira e as conduziu um pouco mais para baixo. —Você estava desesperada para um banho que não podia esperar ou então veio buscar outra coisa? - O jovem buscava ironicamente conduzir uma conversa que chegariam a um resultado fora dos planos do rapaz para a noite.
   
Virou-se frente a frente para Andrea podendo analisar e percorrer seus olhos por todo seu corpo, se perguntava como não havia notado tal coisa durante toda a noite. Sentimentos e desejos começavam a ser despertos pelo rapaz que apesar de estar se segurando para não avançar as coisas acabou por comentar algo não esperado. —Você tem...sabe, proteção?! - Questionou meio sem jeito, pois a verdade era que tudo aquilo era novo para Alex, sexo era uma novidade, e experiência era tudo que ele não possuía, estava um tanto quanto perdido, não sabia como se portar, em quais partes tocar...no geral, o que fazer. —Vou ser sincero, nunca fiz isso antes..

_________________


LIVING WITHOUT PASSION IS LIKE BEING DEAD.

I'D RATHER DIE THAN LIVE WITHOUT PASSION.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Qua Abr 05, 2017 2:02 pm

Mat, o mundo já não é mais o mesmo
Salvadores do futuro merecem um descanso

Agora, 10 e 5 da noite
As pontas de meus dedos traçavam o caminho entre as linhas do abdômen do rapaz a minha frente, até que minhas mãos foram guiadas até um lugar mais abaixo no corpo masculino, alcançando a parte íntima. Soltei o ar de meus pulmões pela boca ao sorrir quando segurei no membro de Alex. Se ele não estivesse ereto, logo estaria com os movimentos que eu providenciava.
— Estava desesperada por um banho com você — respondi.
Alex se virou para ficarmos de frente, o que permitia que nos olhássemos sem pudor — cortesia do álcool. Meus lábios se recolheram para que pudessem ser lambidos pela minha língua, o inferior foi puxado por meus dentes em seguida quando pude avistar o que crescia entre as pernas do rapaz.
Para o ritmo daquela noite não se perder, fui bombardeada com uma informação surpreendente sobre o homem em meu banheiro. Ele afirmava ser virgem, inexperiente quanto ao sexo por consequência. Algo muito mais difícil de se acreditar do que esquecer do próprio endereço, pois o jovem deveria possuir nenhuma complicação em arranjar mulheres com quem dormir. Não era apenas minha opinião, aquele corpo era muito atraente.
“Um virgem para a Motoqueira Fantasma, por que não? É claro que isso deve ser engraçado aos olhos de uma criança onipotente e seu filho mimado”, pensei por um instante antes de voltar a atenção ao bêbado.
Encurtei a distância de nossos corpos com um passo em frente, encostando nossos corpos molhados e quentes entre a neblina que estava no banheiro. Antes de dizer qualquer palavra ou permitir que Alex falasse mais qualquer verdade vergonhosa que era arrancada dele pelo álcool, puxei-o para um beijo demorado. Se ele fosse tão inocente como dizia, talvez aquele fosse seu primeiro contato com a língua de alguém.
— Não se preocupe. Se você nunca fez isso, eu não tenho com o que me preocupar quanto ao seu amigo — referi-me ao pênis dele. Um virgem não tinha como ter alguma doença sexualmente transmissível, pressupus. — Eu não vou engravidar, então... acho que sabe o que fazer em seguida, não sabe? — Com minha mão direita, levei meus dedos até a minha parte íntima, abrindo os lábios daquele lugar. Não sabia uma maneira mais clara de convidar alguém a me foder além daquela, mas, como não podia arriscar, levei a mão livre até o membro do rapaz. Dessa forma, eu sinalizava de forma explícita os dois pontos, faltava Alex liga-los, literalmente.



_________________


THE GHOST RIDER
I hurt myself today, To see if I still feel
I focus on the pain, The only thing that's real

The needle tears a hole, The old familiar sting
Try to kill it all away, But I remember everything
avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Alex S. Ackermann em Qui Abr 06, 2017 3:23 am

type="text/css">


TO NIGHT ...

Alex atentou-se ao ato da loira, era praticamente um convite de entrada e o jovem entendeu isso. Diferente do que pensou as coisas ali seriam diretas, sem mais nem menos, seu órgão sexual já se encontrava ereto, pronto para o ato que ambos desejam. —Se garante que não ira engravidar, tudo bem. Menos uma criança no mundo fruto de bêbados num chuveiro. - Aproximou-se da mulher até que sentissem novamente o toque de seus corpos, Alex guiava com certo cuidado seu pênis até a vagina que Andrea mantinha ainda aberta com seus dedos, o momento da penetração fora algo extremamente prazeroso para o rapaz que foi o mais fundo que pode dentro da garota, suspirou levemente em meio suas ações, iniciou movimentos sutis de 'vai e vem', a preocupação maior de Alex era se estava fazendo as coisas corretamente e se ela estivesse sentindo prazer, tal como ele.

O Ackermann não se viu satisfeito em apenas penetrar a vagina de Andrea, ainda se continha em se soltar completamente a abusar dos toques no corpo da mulher, principalmente seus seios dos quais estavam a sua frente, seu olhar se mantinha focado no par, calmamente tomava coragem para toca-los, elevou a mão sutilmente até a altura e num momento parou para encarar Andrea —Posso?! - Perguntou com um sorriso malicioso no rosto.

_________________


LIVING WITHOUT PASSION IS LIKE BEING DEAD.

I'D RATHER DIE THAN LIVE WITHOUT PASSION.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Qui Abr 06, 2017 10:51 pm

Mat, o mundo já não é mais o mesmo
Salvadores do futuro merecem um descanso
Agora, 10 e 9 da noite
Um comentário que deveria ser uma piada foi feito por Alex, retirando-me mais uma pequena risada, embora eu não tenha achado graça de verdade. Deveria ter me enganado quanto ao que afirmara antes, não era preciso muita bebida para me deixar fora dos eixos. Para minha sorte, rir parecia ser meu único sintoma. O desejo por sexo, contudo, era meu estado mais natural.
Quando pude sentir o membro do rapaz encostar em minha vagina, algo como um calafrio quente — se é que isso for possível — percorreu meu corpo todo a partir de nossas intimidades. Logo em seguida eu senti uma dor da qual fazia um certo tempo que sentia, por isso não resisti em conter um gemido um tanto vergonhoso. Mordi meus lábios para evitar que mais sons como aquele denunciassem o fato de que não transava fazia semanas, talvez uns dois meses. Nada comparado ao tempo de Alex, o virgem.
— Hm... — Esse não era momento para conversar, nem para piadas de bêbados. Alex sabia muito bem seu papel naquela situação, não ficando parado com o seu pênis dentro de mim. Era simulada a saída, mas sempre voltava seu membro para mais fundo, acertando pontos que me enlouqueciam com o prazer provocado.
Antes que eu pudesse me preocupar quanto a isso, as mãos do rapaz que eu convertia em homem finalmente criaram coragem para explorar meu corpo. Eu não me importava com isso. Na realidade, ansiava por aqueles toques tanto quanto pelos lábios dele. Sem dizer uma palavra sequer em resposta à pergunta que ele fizera, direcionei uma expressão de prazer e desejo antes de beijá-lo enquanto ele me fodia. Meus peitos eram segurados pelas mãos dele enquanto eu apertava suas costas, arranhando-as a cada estocada mais forte dele.
— Você é forte? — perguntei antes de abrir mais minhas pernas e abraçar-me ao pescoço de Alex, esperando que ele entendesse que deveria me levantar e segurar minhas coxas. Sempre desejei fazer algo assim debaixo do chuveiro, então não perderia a oportunidade.
Se Alex me erguesse, o prazer que proporcionaria a mim e a ele seria muito grande. Talvez ele não suportasse muito antes de gozar. Era sua primeira vez. Mas eu poderia apostar que seu pênis nem sequer amoleceria antes de repetir duas ou mais vezes. Além do mais, eu não deixaria que isso acontecesse.

_________________


THE GHOST RIDER
I hurt myself today, To see if I still feel
I focus on the pain, The only thing that's real

The needle tears a hole, The old familiar sting
Try to kill it all away, But I remember everything
avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Alex S. Ackermann em Sex Abr 07, 2017 3:21 pm

type="text/css">


TO NIGHT ...

Alex como se já não bastasse ser virgem também parecia gostar de passar vergonha, e apesar de ter demorado a ser dar conta de suas ações constrangedoras, o momento era o menos propicio para se ter uma conversa e a comunicação ali não era dada por intermédio da voz, mas sim, dos toques que não precisavam de nenhum tipo de consentimento por qualquer uma das partes, e apesar da demora, Alex parecia ter finalmente compreendido tudo aquilo.

Andrea de fato sabia o que estava fazendo, e sem dizer nada conseguia fazer o ingênuo Alex entender exatamente o que deveria fazer, Andrea agora estava suspensa ao ar enquanto o Ackermann a segurava em suas coxas, seus olhos estavam frente aos seios da mulher, o lábio de ambos se tocaram, mas o prazer não estava ali, estava todo focado em um único ponto do qual Alex quis acelerar, desejava ir mais a fundo, até onde poderia chegar?! —Não sei se aguento segurar por muito mais! - Avisou a mulher que talvez, logo teria sua vagina preenchida por Alex.

_________________


LIVING WITHOUT PASSION IS LIKE BEING DEAD.

I'D RATHER DIE THAN LIVE WITHOUT PASSION.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Andrea Eakheartd em Sex Abr 07, 2017 4:31 pm

Mat, o mundo já não é mais o mesmo
Salvadores do futuro merecem um descanso

Agora, 10 e 18 da noite
Alex compreendera o que eu queria fazer, segurando-me em seu colo. O som de nossos corpos se batendo era mais alto que da água do chuveiro contra o chão. Eu não conseguia pensar em nada naquele instante, apenas agia como um animal em seu instinto por reprodução — embora eu fosse incapaz disso.
Eu beijava e mordia os lábios do rapaz quando eles não se deliciavam com meus seios. As sensações que ele provocava em meu corpo com seus toques e lambidas eram nada comparados ao que seu membro enrijecido fazia em meu interior. O não mais virgem conseguia me lembrar que sou uma mulher e que sexo era muito melhor que noites estressantes na estrada, queimando almas pecadoras.
Como era de se esperar, eu estava certa sobre Alex não aguentar muito mais tempo sem gozar. Ele acelerava cada vez mais as suas estocadas e me arrancava gemidos indiscretos a todo momento, apesar das minhas tentativas falhas de contê-los. Em resposta a força dele, cravei minhas unhas nas costas lisas e molhadas em que eu me segurava. Desejava também escutar sons dele além de seus comentários.
— Não se segura mais... eu estou quase também... — disse sem acreditar em minhas palavras. O virgem estava conseguindo me levar até o orgasmo em tão pouco tempo.
Conforme nos aproximávamos mais do clímax daquele ato, mais meus gemidos roubavam o espaço acústico do banheiro, passando do som das estocadas e do chuveiro. Não me surpreenderia se gritasse quando enfim gozássemos ao mesmo tempo.

_________________


THE GHOST RIDER
I hurt myself today, To see if I still feel
I focus on the pain, The only thing that's real

The needle tears a hole, The old familiar sting
Try to kill it all away, But I remember everything
avatar
ANTI-HERÓIS
No bar mais próximo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP - Fechada] A caminho da perdição

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum