KALUUYA, TERRENCE

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

KALUUYA, TERRENCE

Mensagem por Terrence Kaluuya em Seg Jan 15, 2018 5:57 pm

original




Escreva os dados


i. A NOMENCLATURA: Terrence Kaluuya;
ii. COMO É CONHECIDO: Khalid;
iii. TIPAGEM SANGUÍNEA: Marciano;
iv. QUANTAS ESTAÇÕES VIVEU: 57 Anos;
v. PRIMEIRO RESPIRO: Data de nascimento;
vi. DESCENDENTE DE QUE POVO: Marciano Verde/Africano;
vii. COMPORTAMENTO: BENEVOLÊNCIA NEUTRA;
viii. COMUNIDADE: Herói;
ix. CARGO PROFISSIONAL: Defensor Público.

Informe os atributos


i. PONTOS DE ATRIBUTO: 120 pontos;
ii. ESPECIALIZAÇÃO: Intelectual (+5 de Inteligência);
iii. ATRIBUTOS:



FORÇA: 30INTELIGÊNCIA: 20+5
RESISTÊNCIA: 20AGILIDADE: 20
VIGOR: 20CARISMA: 10



Diga as perícias


i. PERÍCIAS: A princípio, só terá UM PONTO DE PERÍCIA para distribuir, logo, obviamente, ela, a única, estará no nível calouro.

i. Furtividade, nível calouro;


Cite os poderes


i. SUPER-PODERES(MARCIANO):

i. INVISIBILIDADE: têm a habilidade de modificar as células do corpo, deixando estas invisíveis a olho nu, e assim, o próprio corpo não pode ser visto;



ii. INTANGIBILIDADE: remexendo nas células do seu corpo, o marciano consegue eliminar a propriedade de tangibilidade, ou seja, remover a capacidade de ser tocado por certo tempo, assim, podendo atravessar formas sólidas ou não;



iii. TRANSMUTAÇÃO CORPÓREA: observando qualquer pessoa, independente da raça, o marciano consegue se transformar perfeitamente nela, se tornando uma cópia idêntica;



iv. TELEPATIA: conseguem projetar os pensamentos dentro de outra mente, além de poder ler o que outros estão a pensar. Também conseguem, por intermédio disso, controlar mentalmente o ser;



v. ELASTICIDADE DE MEMBROS: com os quadros membros desenvolvidos, estes podem ser esticados, como uma borracha, sem causar dor alguma ao marciano;



vi. SUPER SOPRO: são portadores de uma impulsão de vento poderosa quando soltam o seu sopro;



vii. SUPER-FORÇA: o seu poder de ataque é poderoso, notavelmente acima dos humanos normais. Não possuem dificuldade alguma em destruir paredes metálicas com um soco qualquer;



viii. VOO: têm a capacidade de ficar suspensos no ar, assim como de sair fora do planetar, ao manipular a gravidade sobre os próprios corpos, fazendo com que esta seja eliminada;



ix. VISÃO TELESCÓPICA: o sentido visual é mais apurado que os humanos normais, podendo dar zoom;



x. VELOCIDADE SOBRE-HUMANA: a velocidade é muito acima dos humanos, seja andando/correndo ou voando, atingindo, certas vezes, km/h;



xi. REGENERAÇÃO: recuperam-se de ferimentos com velocidade absurda, porém, depende da gravidade do mesmo;



xii. LONGEVIDADE: vivem muitos anos.



xiii. TELECINESE: habilidade psíquica que permite aos marcianos impor a força de sua mente de inúmeros modos, como repulsão, atração e etc.






Conte o histórico


Marte Um Conto

Myr'azz e Trz'all eram dois marcianos verdes da capital marciana de Ly, uma espécie de estado oriundo da parte sob o domínio verde. Os dois sempre foram terrivelmente apaixonados um pelo outro, sempre se encontrando escondidos desde a juventude, mesmo assim, foi muito difícil suas famílias aceitarem sua comunhão. Havia uma divisão histórica muito tensa entre os habitantes do planeta, mesmo que sua cultura pregasse a paz entre todos. A divisão entre marcianos brancos e verdes. Não se sabia qual foi o motivo do surgimento dessa diferenciação, ambas as sociedades buscavam distancias uma das outras, gerando por vezes algum desentendimento. Os brancos, minoria no planeta, acusavam os verdes de os segregarem. O que separava também, famílias internas de ambos os lados. Myr'azz e seus familiares eram totalmente a favor dos brancos, de forma que isso criava um sério conflito entre as famílias. Cansado pela longa e sempre interrupta ação com que os familiares de sua amada o tratava, Trz'all, jovem e imprudente como ela naquele momento, convocou os pais de Myr'azz para um debate, uma disputa telepática. Na cultura marciana, além de uma proposta irrecusável, era considerada uma grande afronta esse tipo de atitude, uma vez que a filosofia tomava lugar de destaque dentro da sociedade. Ao fim de 14 meses terráqueos de intenso confronto, Trz'all foi derrotado. Acreditando que não veria sua amada, saiu de sua casa, profundamente triste, quando foi parado pelo progenitor de Myr'azz. Ele concedeu finalmente a benção para a união, ao ver que sua filha estaria em boas mãos.

Da união dos dois teria surgido, Kry'ell e Shu'ni, irmãos gêmeos. Foram tempos felizes esses, quando o casal tinha nada além do que suas crianças para criar. Tudo piorou depois de dois meses. Muitos atentados estavam sendo praticados por grupos separatistas que queriam definitivamente a separação das duas populações marcianas. Mesmo assim, como o grande pensador, filosofo e profeta, I'aru previu, o próximo cataclismo que assolaria Marte, não seria a intriga entre povos, pelo contrário, um incidente que atingiria a todos. Foi assim, que ocorreu, quando surgiu a Maldição de Hronmeer, a praga de chamas telepáticas que começou a fazer o massacre sobre a população.

Dispostos a fugir do destino horrível que os assolava e em busca de salvar seus filhos, Myr'azz e Trz'all, mobilizaram uma pequena relíquia no qual estavam trabalhando. Os dois eram marcianos incomuns e além de terem longo apreço pela natureza, desenvolveram um longo apreço pela tecnologia. Foi isso que salvou a família. Eles conseguiram recriar uma nave Daxamita e decolaram assim que essa esteve pronta. Seu destino era o planeta azul, a Terra.

Terra

A nave deles atravessou a atmosfera do planeta 95 dias depois de sair de seu destino original, enquanto seus passageiros aguardavam em estágio de hibernação. O primeiro problema já começou neste momento, quando a nave apresentou falhas críticas e começou a pegar fogo. Isso fez os pais das crianças acordarem extremamente perturbados. A nave acabou caindo no Arizona, no sudoeste dos Estados Unidos. O choque com o solo arenoso, pois fim as chamas, mesmo assim, ambos já estavam muito feridos. Cada um pegou um filho e saíram caminhando pelo deserto em busca de ajuda. Eles conseguiam sentir muitos animais a volta, mas nenhuma mente avançada por perto. Quando estavam cansados de andar e Myr'azz já estava quase caindo sobre as pernas, uma patrulha da fronteira os encontrou.

Eram anos 60, os policiais estavam tensos, nunca haviam visto alienígenas antes. Sacaram as armas e estavam prontos para atirar. Dizem que a maturidade de um marciano depende mais do conhecimento que ele acumula do que da sua maturidade corporal, pois seu corpo mimético pode superar certos limites físicos que os humanos não podem. Disso resulta que na sua sociedade, o contato telepático é algo controlado para os jovens, entrando em contato gradualmente. Kry'ell e Shu'ni, que eram dois bebês sentiram o quanto os seus pais estavam feridos, ao mesmo tempo em que sentiu o quanto aqueles dois humanos queriam feri-los e por reflexo desmaiaram os dois, preservando a vida de ambos. Essa foi a primeira atitude heroica de Kry'ell.

Após aquele episódio, eles tiveram um longo tempo para se adaptar, não queriam de forma alguma voltar para Marte e foi assim que acabaram ficando. Se adaptar no início, foi difícil, cultura nova, planeta novo, realidade nova e história nova. Arquitetaram suas origens na mente das pessoas, passando logo a ser a família Kaluuya. Esse período foi tão curto, mas tão feliz que eles guardam as melhores lembranças dele. Eles se moldaram em forma de uma família afro-americana que haviam visto em um cartaz. Moravam num rancho bem afastado, na região de Phoenix, vivendo do que plantavam e dos animais que lhe davam insumos. Amava a proximidade que tinha com os animais e a calmaria. Seu pai lhe ensinava a se defender e lhe ambientava sobre suas habilidades. Sempre se aproximava mais dele, não que fosse distante de sua mãe. Shu'ni se comportava como irmã mais nova só por manha, pois era muito mais desenvolvida, esperta.

Logo em 72, que a noite trágica iria lhe encontrar. Um grupo de extremistas brancos, ateou fogo na casa da família. Sua sorte foi que havia saído com a sua irmã para ir até a cidade fazer as compras. Ao chegar na colina que ficava um pouco antes da casa viram, o estado da casa, enquanto seus pais sendo amarrados em uma cruz de madeira por encapuzados e com tochas em suas mãos. Eles haviam sido torturados com fogo e devido a isso haviam revertido a sua forma original. As crianças ficaram inicialmente congeladas com o que estavam vendo. Seus pais sendo pendurados numa cruz e sendo queimados vivos. Sua irmã, não permaneceu assim por muito tempo. Sua ira ganhou uma proporção tamanha, que ela levantou voo e atravessou a mão no corpo do sujeito que estava para colocar fogo no seu pai. O grupo ficou espantado e depois correu para cima atirando. A frente da casa virou uma cena de guerra, onde os inimigos levaram a pior. Eles foram aniquilados e tudo que restaram foram corpos no chão. Kry'ell voou rápido para perto de seus pais. Sua mãe estava morta e seu pai guardava os últimos suspiros. Ele não disse nada, antes de morrer, apenas mandou uma mensagem para os dois. Todas as memórias dele passadas a eles, onde o rapaz entendeu como uma mensagem clara, no final das contas "a violência não é a saída." Enquanto morria no choro, sentiu a presença de sua irmã.

Ela pousou do lado dele, cheia de sangue, seu olhos esquerdo estava com nulo, havia sido atingido pela pólvora do disparo de forma que a cegou de um lado. "Você é tão idiota quanto eles, se pensa que isso vai funcionar. Não vê o que aconteceu com eles?" Sabia que para ela não havia jeito e mesmo chorando tentou convence-la de que uma coisa só levava a outra. "O que? Eu vou vingar eles e me tornar mais forte. Pois só os fortes sobrevivem nesse maldito mundo, não espero que me siga." Foi a última vez que se lembra da sua irmã. Até procurou por ela depois, mas seu elo mental havia sido desfeito.

Eles tratavam a morte de forma diferente. Perder um ente querido só era lastimável se suas memórias o fossem embora junto. Seu pai havia cumprido o rito, passado seu conhecimento e sua memória adiante, eles viveriam de uma forma ou de outra sempre perto dele. Viu o corpo  de seu pai e mãe transmutar-se junto com a terra. Juntos eles tornaram-se uma planta, “Azj’eko”, a semente da vida de seu planeta. Eles haviam retornado ao solo, como sempre quiseram completado o ciclo. O menino sabia que jamais sairia daquele planeta de novo, seria por definitivo sua casa e lutaria com todas as forças para defendê-los. Segundo a filosofia africana, a terra na qual seus ancestrais morreram é sagrada e como eles haviam se identificado bastante com a cultura deles, levou isso para si.

Foi assim que ele foi embora do Arizona, atravessando o país, apreendendo muito mais sobre o que era a raça humana, o porquê de tudo ter acontecido. Às vezes era um adulto, outras vezes criança, sempre aprendendo. Descobriu que existiam outros seres poderosos naquele planeta e ele investigou esses também.  Estudou a filosofia da raça, sua psicologia, seus costumes, suas ciências no geral, até buscou compreender seus sentimentos. Ele entendeu depois de anos o quantos os humanos e os seres poderosos ainda não eram tão avançados quanto os outros planetas que ouviu falar, que conhecia como criança. Por incrível que pareça, eles tinham uma grande capacidade de sobreviver, no final das contas, todos só buscavam isso, mesmo que se preocupassem com outras coisas como bens materiais, ou amores, todos estavam buscando sobreviver e conhecer. Por isso inventavam, criavam. E apesar da capacidade de fazer o mal, impulsionada pela ganância distorcida, quando se juntavam para fazer o bem ou pela sobrevivência eles eram implacáveis. Essa constatação fez com que ele entendesse sua própria civilização e revelou a ele que ainda tinha muito a aprender, que queria fazer parte disso.

Tentando se integrar então, depois de anos a margem da vida humana, Kry'ell, reassumiu sua identidade como Terrence Kaluuya, vivendo literalmente da infância até a fase adulta. Para consolidar essa identidade, complementou sua história, sendo adotado, fazendo questão de manter seu sobrenome. Tornou-se um adulto, formando-se logo em direito pela Columbia. Sua atuação como promotor público, sempre visou a responsabilidade do que seu pai lhe passou ao morrer, a de defender os que precisam e que quando essa lei falhasse ele defenderia com seu alter-ego, o super-herói, Khalid.


Outras Coisas


i. Essa categoria é totalmente opcional. Aqui você pode adicionar informações secundárias sobre o seu personagem, como se ele morou em algum país durante tanto tempo, se ele tem relacionamento com outro personagem e etc;
ii. No entanto, esse campo se torna obrigatório aos REENCARNADOS, pois é aqui onde você colocará os links das fontes e referências que usou para escrever e descrever os poderes;
iii. WIKIPÉDIA não é considerada como fonte referencial para REENCARNADOS por conter muitos erros sobre enredo dos personagens. Está totalmente VEDADO o seu uso.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: KALUUYA, TERRENCE

Mensagem por Rorschach em Ter Jan 16, 2018 2:25 pm

REPROVAÇÃO
Lido em 16/01, e a decisão fora tomada com base nos seguintes motivos:

i. Utilização incorreta de "mas" e "mais"
ii. Ausência de um dos poderes de marciano, Telecinese.


Assim que os detalhes apontados forem devidamente corrigidos, favor informar-me para que possa avaliá-lo novamente.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum